sábado, 22 de maio de 2010

Cachoeira

Segundo estatísticas, 70% do planeta é constituído de água, sendo que somente 3% são de água doce e, desse total, 98% está de água subterrânea...

Calma, eu nao sou ativista do wwfbrasil ou do greenpeace. Acho lindo o trabalho deles. Admiro mesmo. So nao acho muito legal esse negocio de levantar uma placa toda em ingles atrapalhando o transito da ponte Rio-Niteroi. Po se vai protestar, protesta respeitando o portugues, mermao. Enfim. Como voce leu ai na estatistica a agua que se tem pra gastar eh bem pouca. E se a gente parar pra pensar no quanto gastamos em casa, obras e empresas, eh coisa pra caramba. Ou seja, ainda sendo uma pequena porcetagem disponivel para uso, eh muita agua. Longe de mim querer dar liçao de moral. Cada um sabe o que faz. Eu so quero contar como foi a experiencia da semana passada...

Sexta-feira dia 14 estava chegando em casa, quando o sindico me disse logo na entrada:
"Ingrid, a CEDAE cortou a agua do predio, amanha vai ter uma reuniao e..." E nada mais ouvi. "A CEDAE CORTOU A AGUA..." (ironia, destino?). O condominio tem 18 apartamentos sendo que so 12 pagam (e eu estou entre esses). Por causa de seis, todos ficaram sem agua. SEM AGUA. O sindico nao serve pra administrar o condominio?... melhor deixar essa resposta pra proxima reuniao. Tudo bem, ja faltou agua na minha casa outras vezes, mas dessa vez nao tinha previsao de volta. E foi aquele corre corre pra pegar balde e colher o que sobrou na cisterna do predio, tomar banho na casa da vovo. Nunca desejei tanto poder lavar uma louça.

Pra resolver o problema, a soluçao foram os doze. Apostolos? Nao. Os que pagam condominio. Deram tres meses adiantados.

QUINTA-FEIRA. Eu disse QUINTA-FEIRA.
Cheguei em casa a noite. Me preparava para mais um banho de baldinho com agua escassa. Dai fui ate cozinha e fiquei olhando a torneira. "Sera que voltou?". Parei e fiquei pensando. Como eh importante. Como que aquele cliche de que a agua esta acabando no planeta se fez presente pra mim. E como que a gente so se toca pra isso quando sente na pele o problema. Nao estou dizendo que a culpa foi da CEDAE ou do problema de escassez de agua potavel no planeta. Mas o fato de faltar agua e nao ter a certeza de quando fosse voltar, de abrir a torneira e se encher de esperança ao ouvir os seus soluços como se fosse jogar algumas gotas pra um simples lavar de louça me fez perceber o quao importante eh pra nos esse recurso. E isso foi so um dos outros tantos elementos da natureza que desperdissamos e nao nos damos conta.

Por fim a torneira depois de fazer aquele barulho de quem tosse encatarrado, jogou agua abundante. Meus olhos que se expremiam de angustia olhando aquele lavatorio com copos e pratos sujos, se arregalaram de alivio quando viram a cachoeira. Minha mae abriu a porta de casa no mesmo minuto. " A agua voltou no predio, Ingrid." Graças a Deus. Tomei banho me sentindo o maximo. Escovei os dentes deslumbrando o luxo.

terça-feira, 18 de maio de 2010

O gorducho

E la vinha eu pela escuridao, cansada pelo dia de trabalho. Tava frio. Era um daqueles dias em que o poeta interior adormece. Voce se deixa envolver por esse mundo de sombras(dito ser realidade) e entra nessa vibraçao do estresse. Nao triste, mas cansada. Ate colocar a mochila pra frente pra pegar a chave e abrir o portao parece trabalhoso. Eis que quando adentrei o meu predio ouvi uma risada. Nao dessas de escarnio ou deboche. Era uma risada gorducha. Diverte de ouvir. O filho da vizinha do primeiro andar que completou um ano agora em Maio (salve Maio!). Ele estava na outra extremidade do corredor. O mundo ficou la fora. De repente eu me vi sorrindo devolvendo o sorriso daquele bebe. Olhei pra ele e ele me olhou com cara de traquinas apertando os grandes olhinhos por causa das bochechas que sorriam.

"Ah, eu vo te pegar garoto" falei ja no pique de criança. Ele por sua vez saiu correndo na minha direçao. Em um espaço de um metro antes dele chegar a mim, me abaixei e abri os braços. Um segundo depois um encontro em um abraço. O bebe gargalhava de alegria. E eu me enchi de alegria.

Sua avo desceu as escadas e viu essa cena e com um semblante feliz e cansado disse
"Agora ele so quer saber de correr e subir escadas..."
Coloquei ele no chao e subi para o meu andar.

Cheguei em casa muito bem. Tanto que sai do mundo das sobras e voltei para o mundo das ideias. Dizem que crianças tem pilhas duracel. Na verdade elas que sao as nossas pilhas de esperança. Mesmo que tirem toda nossa energia as vezes.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Riqueza

Dia quatro foi meu aiversario. Quase junto com o blog (dois de maio). Aliais, parabens pra ele. Um ano de puro cliche filosofico. Por vezes pensando em tanto a escrever. Chegava aqui dizendo o que todo mundo ja pensou e ja entendeu mas que pra mim foi como descobrir a polvora. Ou quando a Lady Gaga colocou fogo no piano pela 1 vez. (O que e quase a mesma coisa...). Ando nas ruas conversando com cada parte do asfalto, escutando o que cada rara arvore tem a dizer e depois me pego filosofando esperando o sinal abrir pra eu atravessar.
Encontrei com os meus amigos pra comemorar no sabado. La naquele bairro que ja virou cultura pura. Sempre foi na verdade. Dai vi que meus amigos (os de verdade) continuam os mesmos, mas tao diferentes. Um ano eh pouco tempo, mas eh muito tambem. Mudei, mas continuo a mesma. A manivela cacholesca nao para de girar. Eu me senti tao feliz por isso. Porque mesmo que se escolha ficar parado, vc faz uma escolha e de alguma forma cresce. Nao que eu tenha escolhido ficar parada. Acho que todo dia, a cada segredo que o vento me conta quando bate gelado no meu rosto pela manha, eh como colocar fogo no piano. Os detalhes tao obvios e tao escondidos da vida. Simples, todos ja viram. Nao enxergaram. Os peixes sao os ultimos a enxergarem a agua.

Meu Allstar nao e verdadeiro. As marcas que tenho nas minhas roupas sao de agua sanitaria. Minha mochila eh surrada do chao do trem. Me sinto rica.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Quanto que da?

Quanto que aguenta esperar?
Quanto dizer?
Quanto rezar?
Quanto rir?
Quanto chorar?
Quanto sofrer?
Quanto dizer sim?
Quanto dizer nao?
Quanto de carinho?
Quanto de ingratidao?
Quanto desesperar?
Quanto tranquilizar?
Quanto de paciencia?
Quanto de esperança?
Quanto de velhice?
Quanto de criança?
Quanto de emoçao?
Quanto de passividade?
Quanta regeneraçao?
Quanto de intolerancia?
Quanto de conpreensao?
Quanto amar?
Quanto?
Quantos quantos podem existir no incondicional?
Quanto que aguenta esperar? (te esperou)

Quanto dizer? (sempre te disse)
Quanto rezar? (reza por voce)
Quanto rir? (ri com voce)
Quanto chorar? (chora com voce)
Quanto sofrer? (sofre por voce)
Quanto dizer sim? (se for te fazer bem, sim)
Quanto dizer nao? (Nao eh para o seu bem)
Quanto de carinho? (ate quando te diz nao)
Quanto de ingratidao? (Quase sempre superado)
Quanto desesperar? (ate que vc fique bem)
Quanto tranquilizar? (so de te ver feliz)
Quanto de paciencia? (vence os proprios impulsos)
Quanto de esperança? (todos os dias cresce)
Quanto de velhice? (para as coisas jovens demais)
Quanto de criança? (para as coisas velhas demais)
Quanto de emoçao? (a cada olhar seu)
Quanto de passividade? (ate que voce se acalme)
Quanto de regeneraçao? (todos os dias um pouco mais)
Quanto de intolerancia? (Para aqueles que nao te fazem bem)
Quanto de conpreensao? (Para todas as suas maluquisses)
Quanto de amor? ( Ate quando parar de respirar, vai te amar.)