domingo, 4 de abril de 2010

Relatorio de estagio

Estou sem alguns acentos no teclado, entao voces vao ter que fazer um esforcinho pra entendeser algumas palavras. Mas brigadao por estarem aqui, viu? =)



Pois e faz tempo que por aqui não passo. Faz tempo que adio meu relatório de estagio. Não, não o que a gente tem que entregar no colégio dizendo que aprendeu varias coisas legais do técnico com aquelas palavras em terceira pessoa do singular no pretérito perfeito do indicativo (que nem você lembrava que existia, ne) coisa e tal. Esse aqui e o verdadeiro. O que a gente pensa de verdade, digamos assim. Vou utilizar o mesmo modelo que eles mandam fazer e vamos analisar como realmente ficaria esse relatório.


- Finalidade:
Por quem foi indicado?
Por quem? Talvez Deus. Porque so ele pra me arranjar um estagio.

-A empresa em si:
Bem, não vou dizer o nome dela aqui, mas ela que cuida de uma necessidade básica da população (água, cof cof) e eu tinha que verificar quem pagava pra ter esse recurso, quem precisava, quem não pagava, mas tinha mesmo assim (roubava, cof cof). Gente rica rouba com estilo, vocês tem que ver...

-Qual função foi determinada a você?
Bem, eu tinha que desenhar uns croquis, fazer umas vistorias, fazer café, quebrar a cafeteira no segundo dia,



"Acho que a cefeteira ta com algum problema..."

ir em vargem grande, se perder em vargem grande, chorar porque ta perdida em vargem grande, andar por uma hora de baixo do sol na barra da tijuca... Perai perai, mas num era pra ser técnico de edificações?

-Usou algum método especial nas tarefas do estagio?
Ah sim, passeava bastante pela rua quando não encontrava a casa que tinha que vistoriar, ótimo pra passar o tempo. Falo mesmo que minhas retas, nos desenhos, não eram paralelas, mas eu dizia que era assim mesmo. “Poxa chefe, ta chovendo, vo ter que ir mesmo pra vargem grande?” com carinha de choro, um ótimo método pra “realizar” essa tarefa.



"Vargem grande nao, por favor"


-Como eram seus companheiros de trabalho, inclusive o chefe?
Olha, desses eu não podia reclamar, eram pessoas ótimas mesmo e muito divertidas.
Tudo bem que a gente discutia umas coisas loucas e chegava a conclusões mais loucas ainda. Como na vez que a gente discutiu se dinheiro trazia felicidade. Foi deduzido que a África e um pais socialista, por isso que la tem fome...


"Mira lo que están hablando..."

Ah, o chefe? Tinha um jeitinho sutil de deixar as coisas bem claras. (vide a foto abaixo)


"Olha la o que vao comer no almoço ..."

-Quanto à relação cronológica das atividades desenvolvidas na empresa:
Bem eu comecei vistoriando o castelo das pedras(“de onde vem esse cano aqui, moça?” “esse cano?... ah... vem la da rua, ueh”), depois casas em vargem grande (CARACA! QUE LUGAR E ESSE MINHA NOSSA SENHORA?”),



"Nem eu sei, minha filha"

depois recreio, barra da tijuca, tijuquinha, a qual em função da desregularizaçao do terreno e das condições dos moradores não havia o que eles queriam que o governo desse pra eles... digamos assim que eles ficaram chateados com a nossa presença. (“ Olha minha filha, aqui o povo da comunidade que se ajuda! Ninguém vai pagar imposto não!”- palavras de uma moradora)

-Facilidades e dificuldades:
Facilidades: Bem, depois de um tempo você acaba se acostumando e tudo fica mais fácil mesmo. Ate quando batem a porta na sua cara, quando você descobre uma clandestinidade (um gato), quando seu chefe bate a porta na cara de todo mundo, quando pedreiros em uma obra param de trabalhar so pra admirarem sua beleza ( “que isso ein nem, vem trabalhar com a gente, fiu fiu), quando duvidam da sua capacidade so porque você e a mais nova ( “Ela tem umas respostinhas típica de quem ta na adolescência ne” “mas eu so disse que a África e um continente, que não tem socialismo, gente” “ Olha a malcriaçao, menina”), etc...

Dificuldades: PELO AMOR DE DEUS, ALGUEM CONSERTA AQUELA CAFETEIRA!...

-Novas experiências.

A mais valida: Conhecer as pessoas, descobrindo esses mistérios de relações de trabalho...(“chefe, você ta tão bonito hoje... posso sair mais cedo?)

A menos valida: Ah vai, toda experiência e valida. Ate mesmo se perder em vargem grande numa rua onde passa um rio que mais parecia um pântano e ter que atravessar uma ponte feita de palito de picolé



(“moço, me ajuda, to perdida aqui, qual o nome dessa rua?” “ Estrada do rio MORTO.”)



"MUAHUAHUAMUAHUAHUA"


- Conclusão
Isso e muito pessoal. Tirem vocês suas conclusões, porque vida de estagiário e assim: entre uma tarefa e outra sempre haverá um café pra servir e uma historia pra contar.

Enfim, já to formada? Posso ser técnica, fessor?